quinta-feira, 1 de maio de 2014

[ Sem título ] Luciana Cavalcanti



Cerquemos,
eu e tu,
de todos os sóis
a minha e a tua pele.

Abandonemos à luz
e ao excesso,
à sede e à cor,
a minha e a tua pele.

Até que queime
cerquemo-nos,
eu e tu, de todos os sóis!

Até que arda
e inflame,
cerquemo-nos de nós!

Há um território
inexplorado
em nossos corpos.
E é ali,
onde possível seria
um Encontro.
Fôssemos eu e tu,
astros, a isto
chamaríamos conjunção...

No entanto,
somos terra, eu e tu,
se vê na pele, em cor,
calor.

Somos terra,
eu e tu,
com a possibilidade
de expedições
até
ali
onde há
um território óbvio,
próximo e vazio,
porque distante de viajantes ociosos
e porque ausente de atrativos fáceis,

Ali,
no limite
onde encontram-se
a minha e a tua pele,
corporifica-se a alma,
pois há um território
onde nunca,
amigo, nunca anoitece.

Por isso,
podemos colher todos
os sóis.

Manhã após manhã,
noite após noite
e queimar...

Queimar,
juntas,
as nossas peles
até que sejamos diversos,
eu e tu,
daquilo que, em nós,
não nos encontra.

Nenhum comentário: