sábado, 14 de setembro de 2013

Página - Luciana Cavalcanti

Brancos cabelos.
Branca, a memória.
Não me apercebi,
tudo se tornou vago:
vago, o meu amor,
vago, o sentido de cuidado,
vaga, uma cadeira,
preenchida a cama.

E, agora, adoece, contigo,
minha noção de Futuro...
O cuidado com uma criança
que há de crescer para trás.
Quantos aprendizados,
esquecidos,
hei de repetir
para o teu sorriso?

Agora, a hora de fazer-me mestre.
Cada manhã, dizer o que é a Vida
- dizer-te e dizer-me! -
e já não esquecer
do amor-sentido, seus sentidos.
Hoje já, a tua memória é a minha
e o que sou/serei
escreve a tua História.


Luciana Cavalcanti
Recife, Várzea do Capibaribe, 22 de Abril de 2012.

Nenhum comentário: