domingo, 5 de maio de 2013

Dor de ser - e os interditos à delícia de ser o que é...



Eu não queria citar, remoer a dor de outros... Dor sobretudo, deste jovem cuja luz agora brilha em outra dimensão por já não aguentar, nesta vida, que pesasse sobre seus ombros o preconceito de seus pais. O preconceito de seus pais!!!

Quantos filhos de péssimo caráter, de nenhuma gana pela Vida ou por quaisquer coisas boas, são sustentados, superprotegidos por seus pais?

Quantos pais se acreditam no exercício de seu dever familiar tirando da cadeia jovens criminosos que, mesmo não lhes faltando materialmente nada, resolveram seguir caminhos de crimes e desrespeito ao próximo?

Onde estão os pais dos assassinos do Índio Galdino? Acaso, se consideram cristãos?

Onde estão os pais dos agressores de Sirlei Dias? Acaso alguém acha que os 500 mil Reais referentes ao Processo restituem a Sirlei o que lhe foi roubado por apanhar, um dia, de repente, por ser negra, mulher e pobre? Porque negras mulheres pobres são confundidas (reduzidas?) por certa elite torpe deste país a objetos! Prostituta? Que o fosse! Quem deu ao menino branco o direito de tripudiar da dignidade de alguém?

E hoje um jovem escolheu morrer...

Ele não era um fraco. Fomos educados a temer a morte. Escolhê-la por já não encontrar sentido em viver pode ser reflexo de tantos sentimentos... menos da covardia.

Eu não admito. Não admitirei como normal, que uma família qualquer, qualquer lugar do globo, considere tão suas as verdades universais que se reserve o direito de matar. Sim! Matar silenciosamente, dia após dia, pela rejeição, pela injustificada vergonha, pela deturpação dos preceitos evangélicos e por esta noção ocidental e imbecil de pecado...

O Cristianismo, reduzido à busca de milagres não é nada além de infantil vaidade, de seres humanos fazendo deus à sua imagem e semelhança: egoísta, chantagista, carente, barganhador... O Cristianismo, reduzido ao moralismo que fundamenta-se na Culpa e na tentação de julgar o Outro para parecermos melhores ante nós mesmos é doentio, patológico.

Não ouço nada de cristão ressoar nas palavras de Felicianos e Malafaias, nem de qualquer católico cuja burrice teológica faça eco a tal arrogância assassina.

A Liberdade é e será um inviolável Direito Humano. E sem ela nada do que se faça poderá ser dito "humano". Sem liberdade, nos degeneramos, degeneramos o outro...

Em nome de que Evangelho vocês acreditam que se pode torturar as pessoas? Apontar-lhes as fragilidades? Magoar-lhes as feridas abertas?

A que Cristo vocês seguem? Ao que andava com publicanos, com estrangeiros, pecadores públicos, leprosos, prostitutas, gente pobre...? Enfim, todos os excluídos de seu tempo? Quem acorria a escutar, na Galiléia dos anos 30, a voz do Rabi da Periferia? As elites judaicas que compactuavam com o Império Romano acaso andavam com o Galileu? Quem, daquele povo oprimido e cativo, primeiro ouviu a voz do Mestre?

E você? Você ouve ressoar o apelo do Mestre? Você entendeu a humana profundidade da afirmação "aquilo que fizeres a um destes pequeninos, a mim o fizeste"?

Hoje, um irmão jogou-se de uma torre telefônica...

Entre outras coisas, queria livrar-se do brado supostamente bíblico e purificador de que sua maneira de amar seria uma "abominação".

Abomináveis são todos os que não entenderam que a mensagem maior, a mais essencial dos Evangelhos, é o Amor...

Eis o nosso Caminho de Damasco! Eu quase posso ouvir a voz do Mestre: "por que vocês perseguem Saulo?"...


----------------------------------------

Em tempo: Lamentavelmente, convém (precisamos") divulgar um Blog que informa "Quem a Homofobia matou hoje". O caso de Saulo, jovem gay que suicidou-se em Porto Velho, pode ser lido Aqui. O Endereço do Blog de denúncia e combate a Crimes homofóbicos pode ser visto clicando neste Link

Nenhum comentário: