quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

A benção, Seu Zé Amâncio!!!


Nas coisas, tua memória...

De hoje em diante, como se cada vez fosse ver ainda teu sorriso de "missão cumprida", teu orgulho amoroso, com  humildade e generosidade a ensinar a quem vence, seguirei fazendo muito importar o que serei, o que farei, a vida que terei. Para testemunhar com uma vida digna a dignidade de tua herança.

'À “Seu Zé Pretinho”, José Amâncio (meu avô), porque pela Vida e pelo trabalho, ele me ensinou três grandes lições: que a generosidade e o desprendimento são caminhos seguros de se construir riquezas imperecíveis, que os acontecimentos mais simples são oportunidades de se fazer novas amizades e que o trabalho, honesto e insistente, pode não ser um fardo, mas ser permeado (também) de generosidades, desprendimentos e possibilidades abertas e certas de se consolidar afetos.'

Coisas que aprendi com meu avô...

Lembro as coisas que aprendi com meu avô. Como as mais belas e justas coisas aprendidas porque vividas, essas lições não se apagam... Como sinais na pele, são marcas que mudam, de tamanho ou um pouco de lugar, mas permanecem, sinalizando nos corpos a diferença que somos.
O que aprendi de meu avô, eu não perco.
Aprendi que há políticos honestos, por exemplo. Então, tarefa de cidadania é buscar estes lutadores entre os tantos demagogos e aproveitadores da boa fé do povo.
Aprendi que trabalho é um jeito de marcarmos com nossa existência e singularidade o Mundo, portanto, existimos enquanto trabalhamos! Trabalhar não é um fardo, é gesto concreto de aposta na Vida, insistência em fazê-la aquilo que sonhamos. Quem só trabalha por dinheiro perde a chance de conquistar maiores riquezas, perde tempo ganhando dinheiro.
Meu avô construiu Vida trabalhando, a sua e as nossas. Há gente que produz miséria e morte... Este trabalho destrói a Criação, nega Deus. Meu avô me ensinou fazer de meu trabalho uma expressão da minha fé.
Mas a lição primeira, mais difícil e mais justa, talvez, seja a de ser família...
O quanto é difícil, em nossas diferenças, com tantos interesses, gostos, maneiras, sermos uma coisa só que se reconheça e cresça sabendo de onde e a que veio!
Temos uma família. Grande é a mesa que nos uniu e tem unido para a refeição e o sonho. E grandes, as estradas por onde tanto viajastes, meu velho, a semear amigos em cada canto como tento fazer eu.
Olho tantos rostos, uns mais e outros menos parecidos com o meu. Olho pra você, meu avô, e busco traços dessa semelhança com um homem tão bonito!
Me pareço contigo, eu sei!
Gosto da mesa farta, de alimentos e de gentes para a partilha. Gosto de amigos e do que a amizade nos acrescenta em Vida. Gosto de Política e mais da gente à qual a boa Política deve servir. Gosto do trabalho, insistente e cuidadoso.
Gosto da Vida... e queria vê-la multiplicada! Ainda não te dei um bisneto... Não sei se exijo muito do outro ou de mim. Não sei se o Amor mais se esconde de quem o busca desperto e sempre... Mas sei que preparo a casa, arrumo o mundo, pra quando ele chegar. Será parecido comigo e contigo, o menino. Vai fazer muita bagunça, a começar por nossos corações! Agitando a certeza de que a Vida, multiplicada, é milagre do Amor.


89 anos não é tudo! Você segue teu caminho de luz! E você permanece em nós... Você é grande, você é muitos! Você é cada um de nós. Está em nós, no nosso Amor. Em cada filho, neto, bisneto e amigo, você vive, Seu Zé. E faz a vida bendita por tanta luz brotada do trabalho firme, honesto e humilde, de tuas mãos.

#ZePretinhoVoou