quarta-feira, 11 de maio de 2011

Só eu sei...

 
 
Um amor que me foge
ao habitual repertório.
Amor, dia-a-dia,
que se ri e faz crescer
sem ceder
à mesmice,
às exigências
de nossas carências
e contingências...
Este amor, livre,
entende-se sendo
ele mesmo o amor,
amor, sim, em que a gente crê,
como diria o poeta:
o que chegou para dar
o que ninguém deu pra você...

"Amor-livre - I": um poema de hora.
 

Nenhum comentário: