quinta-feira, 21 de abril de 2011

O Evangelho, poema que Compromete - por Lourenço Diaféria




Lourenço Diaféria - 20/04/2011
 
“O Evangelho é um texto subversivo. Ele subverte o mundo na medida em que ousa outorgar à criatura humana – com suas fraquezas, seu orgulho, seu medo – a corresponsabilidade pela morte e ressurreição de todas as esperanças. Ou mais incrivelmente: da Esperança Total.

E todavia o Evangelho não é feito de frases de efeito. Nenhuma retórica. O Sermão da Montanha, patrimônio comum e síntese das aspirações que têm sido desfraldadas sob bandeiras as mais diversas, é de uma sobriedade e despojamento perfeitamente acabados e irretocáveis. No entanto, suas palavras não exigem mais de cinco minutos dos ouvintes.

O Evangelho trata de um homem de Nazaré. Nazaré: menos que um ponto imperceptível em um mundo conflagrado, onde as armas e as fortalezas e os conluios tinham o mesmo peso de sempre. Nazaré de uma época de sedições e de homens que pregavam no deserto. E que tinham a cabeça arrancada. Nazaré de um tempo em que os que tinham o poder de decisão submetiam-se a pressões ou exercitavam a pressão, julgando fazer política ao lavar as mãos. Mudou alguma coisa?

O Evangelho trata de um homem de vida curta, previstamente curta, que sabia do fim e do começo. Um homem que suava sangue diante da violência que se consumava, e aceitava o beijo, as fugas, a perplexidade e as dúvidas de seus amigos. E dava-lhes, contudo, a certeza de que nada seria em vão. Ele permaneceria, além do sofrimento e da morte.  Acolhia as crianças, deixava que elas brincassem e atrapalhassem suas conversas. Pedia a uma mulher que lhe desse um copo d´água. Chorava e sorria. Para espanto dos teólogos e dos filósofos, preferiu que a verdade continuasse a ser uma pergunta a ser respondida por cada um – na medida em que cada um a busque com sinceridade. E não se lançou do pináculo do templo da tentação de definir o que está além e fora de todas as coisas e causas. Ensinou apenas que os homens se dirijam a Deus assim: Pai Nosso, o pão nosso dai-nos hoje.  Subversão total. Não mais sarças ardentes, nada de trovões, nada de mares se abrindo. A humanidade inteira transformada em povo eleito.

O Evangelho é isto: a boa nova, o gesto, a descoberta.  Um poema que compromete”.
 

Nenhum comentário: