terça-feira, 23 de novembro de 2010

Cartinha para minha mãe...


Conta as histórias das crianças, brincando, aprendendo, descobrindo mundos... Conta das travessuras todas, das manhas, dos dengos, das birras.

Fala por horas, morrendo de rir, dos meninos e meninas e nem sente que em cada riso, em cada percepção cheia de ternura, o seu peito maturado de tanta vida pede um neto. Seus braços cansados pedem uma criança, seu afeto guardou-se para o futuro com as reservas multiplicáveis de amor-de-mãe... Quer ser avó!

E eu estremeço diante da beleza infinita de teu desejo...

- Ooooô, mãe, como seria ter um filho?!?

Como seria ser engravidada pelo amor, deixar semente de esperança firmar-se no ventre pra depois explodir? Como seria cantar cantigas? Acordar com sono e ninar neném? Como seria irmanar-me à bondade das fêmeas todas que amamentam? Ser bicho que acolhe um bichinho? Mas com carinho, com razão, com sabedoria... porque aquele bichinho seria gente, teria que aprender a difícil lição de Ser. E ser humano!

Como seria eu crescer (por dentro) pra ver subir as marcas de lápis na parede...? "Olha, o menino já tem quase um metro e vinte!"... Como seria perder a paciência e dizer "não porque não!"?
Tua ansiedade se es
conde, em respeito a mim. Teu amor guardado, desde o parto pra dali a uns vinte e poucos anos, se avexa por dentro. Mas você sussurra pra que teu afeto se ajeite e você não incomode meu sono com barulhos, nem queixas...
Meus amores se demoram em chegar. Minhas dores se demoram em passar. Minhas queixas...
Já engravidei de tanta coisa - até de raiva! Já engravidei de vontades de puxar do Futuro o meu filho na marra... somente pra testemunhar no teu rosto e no dele, meu pai, a transfiguração do amor-milagre: painho e mainha, cada vez mais, vovô e vovó.
Meu amor dorme, preguiçoso... mas, talvez, nem seja boa hora pra acordar!
Meu amor dorme, sonhando com o meu filho que é quase tão bonito quanto a ternura de cabelos brancos que tu e meu velho maturaram pra dar.


Recife, Várzea do Capibaribe, manhã de Agosto... A vontade de Vida sabe esperar a primavera. Espero!


#meuafilhadovictor
#sofiaclara




Nenhum comentário: