quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Entre o óbvio e o risco - I

Jogando, pela décima vez, pedrinhas em poças d'água,
o poeta se pergunta
porque ainda não houvera aprendido fugir dos calotes da emoção...
Acontece com o amor o mesmo que em jogos de azar: se aposta alto agora na crença de recuperar todo o perdido antes.

25/08/10

Nenhum comentário: