segunda-feira, 26 de julho de 2010

Entre outras coisas...


Voltei a viajar. Nada mais esperado após o inesperado encontro com a minha vida numa curva, em colisão. O impacto sentido (e, sobretudo, o vivido) não foi simplesmente o do choque contra um poste da iluminação pública... O impacto foi o de uma colisão entre o "eu" e o "eu mesmo". Talvez, seja irônica a fala do destino ao iluminar a partir dali: postes servem para espalhar luz. Enxerguei muito.
Os olhos se abriram.
A partir de um momento único e imprevísivel, os olhos banhados em sangue veem a vida de outro jeito...
Outro jeito de viajar agora também.
Não é pelo medo (irracional e subterrâneo ainda) dos automóveis em movimento. Nem pelo corpo que reclama esforços e adianta cansaços. Mas pelos olhos, os mesmos olhos que olharam o céu a partir de uma calçada, com o corpo estendido ao chão, em avenida, no meio de um carnaval...
Aquilo tudo, não peçam que eu esqueça. Nao vou esquecer!
Soube da minha vida. Recebi-a. Era presente. Era futuro. E passado... Meu tempo. Minha história. Permaneceria. Permaneci. Era presente. Soube da dádiva.
E não fiquei ali. Continuei...
Viagem.
Aqui estou. Entre outras coisas, fazendo as malas e percorrendo estradas. Conhecendo as gentes como sempre apreciei fazer.
Olhando tudo. Percebendo a mim. Sem cerveja. Sem remorsos. Sem vaidade. Sem certeza absoluta. Talvez, amanhã: uma cerveja, um remorso, uma vaidade... Talvez. Mas não sei. E me entrego. Deliro no curso de um rio que continua.
Por esta via, não sei onde chegarei, mas tenho chegado a cada instante e isto importa. Por estas veias, corre um sague forte. Cuidou-me o corpo cicatrizar, se não tudo, muito. E cicatrizes são sinais. Aquilo que foi até chegarmos onde estamos, um lugar do Ser.
A viagem é recomeço - toda viagem o é.
Retomo minha vida na estrada. Cuido do Mundo e do meu aprendizado. Meu aprender em prol do aprendizado das gentes: como poderemos viver juntos?

2 comentários:

Poeta Carlos Maia disse...

A viagem maior de todas vc já começou, que é a viagem interior. Saiba que eu estarei sempre torcendo por vc!

Beijo Grande!

Ana Karla disse...

Oi, Irminha!

Que bom ler as coisas profundas que você escreve sobre o dia do seu
renascimento...
Beijo!