segunda-feira, 28 de junho de 2010

Um poema russo - do Blog do Dodô

"Recordo o luminoso instante
quando eu, tomado de surpresa,
te vi: súbita imagem, diante
de mim, da essência da beleza.

Desenganado e triste, a sós
no caos do mundo, ouvi durante
anos, em mim, a tua voz
vi, no meu sonho, teu semblante.

Passou o tempo; um vento atroz
varreu meu sonho ao seu talante,
e não ouvi mais tua voz,
deixei de ver o teu semblante.

Minha existência se esvaía
no exílio inóspito e incolor,
sem vida, lágrimas, poesia,
sem divindade nem amor.

Reapareceste e nesse instante
minha alma despertou surpresa;
revi, súbita imagem diante
de mim, a essência da beleza.

Meu peito, cheio de alegria,
bate de novo; há no interior
dele outra vez vida, poesia,
lágrimas, divindade, amor." 
 

Alexandr Sergueievitch Púchkin, poeta russo.

tradução de Bóris Schnaiderman e Nelson Ascher.

Nenhum comentário: