segunda-feira, 3 de maio de 2010

Poeminha encontrado sobre o que se há perdido...

Eu já perdi a hora,
o emprego, o ônibus,
o vôo - e paguei "no show"! -,
voei mais tarde...

Já perdi dois dentes,
um deles, arrebentando
anos de tratamento, um canal,
restauração caríssima...

Já perdi o juízo,
o bom senso,
a elegância,
as estribeiras...

Já perdi lutas, utopias,
sonhos, bandeiras...
O espetáculo, o concerto,
perdi o jeito.

Já perdi dinheiro...
- Ah, como eu odeio perdê-lo!
E documento de identidade.
Já perdi a vontade...

Mas nunca perdi ninguém.
Gente não é coisa que se perca,
nem mesmo quando se tem cinco anos
numa loja de departamentos...!

Gente é bem permanente.
E jamais se adquire...
Com gente se partilha
e se convive...

sem ter nada
ou nada perder.


Luciana Cavalcanti
Recife, Várzea do Capibaribe: 03 de Maio de 2010.

Nenhum comentário: