quinta-feira, 1 de abril de 2010

Quinta-feira Santa...


Quando eu era criança (e nem faz tanto tempo... já que eu tenho 30 anos), o dia de hoje, antecedendo a Sexta-feira da Paixão era chamada "Quinta-feira Santa". A maioria das escolas já não funcionava... mas, que eu lembre, não chamávamos estes quatro dias de "feriadão". Não me parece ser um fato decorrente da catolicidade de minha família: meus tios enchiam a cara de vinho, minhas tias (que não iam à Missa, faziam, dos ovos de Páscoa, moedas de troca para as crianças comparecerem a uma liturgia que absolutamente não entendíamos!)...
A TV falava em Semana Santa não em "feriadão". E nenhum galã global representava Jesus Cristo em Nova Jerusalém aos gritos de "goooooostoso!" na hora da crucificação...
Eu sou ecumênica. Minha convicção é inter-religiosa. Defendo o transcendente e sua busca, independente das religiões. E defendo o diálogo inter-religioso. Deus não pode ser tornado um ponto a mais de disputa e dissensão em um Mundo dividido e destruído pelas intolerâncias! Não acho que o Brasil tem que ser católico...
Mas fico aterrorizada com o ceticismo do mundo-presente, misturado ao consumismo, ao imediatismo e à precariedade da educação escolar, não imagino o que isto pode trazer para nossas crianças que se farão homens e mulheres...
Se era vã ilusão de mamãe ou não, ao me ensinar a juntar as mãozinhas e agradecer a Papai do Céu pela Vida, ela, sem querer, me ensinou o respeito e gratidão pela Vida e me ensinou a irmandade com a Humanidade... Afinal, Papai do Céu não era somente o "meu" Papai do Céu! Era de todo mundo...
Hoje, "de novo penso em Deus, de novo penso em Jesus Cristo"... Penso a Quinta-feira Santa como o dia da institução da Eucaristia, sinal visível não apenas da presença mística do Cristo entre "seus amigos", mas também celebração realizada entre amigos. Jesus disse naquela noite: "amigos meus"... e falou sobre o que se passaria: sua morte, sua dor e a redenção da Humanidade... e afirmou sua Paixão, iminente, como prova de Amor.
Prova de Amor na qual eu creio e a partir da qual quero construir minha vida, meu caminho. Entre amigos, celebrando a Vida...
E "novamente volto a ser quem sou"...

3 comentários:

Wires disse...

Mulher, fico tão contente em saber mais um pouco de tua história! (rrsrsr) Não tive a oportunidade de vivenciar a Páscoa da mesma forma que você, mas confesso que foram muitas emoções juntamente com minha familia. Bjao!!!

Ana Karla disse...

Irminha

Fico contente por ver sua fé voltar com tanta força!
É muito difícil "cantar" de verdade quando faz escuro...
As "sementinhas" da infância são realmente as mais puras e fortes...
Que Deus a abençoe, nesta e em muitas "Semanas Santas"...
Beijo!

Luciana Amâncio disse...

Thiago de Mello e Dom Hélder (que nos fez conhecer este poema...) entendem mesmo de Vida!
Cantar no escuro não faz amanhecer, mas, por dentro, pode iluminar ou, pelo menos, ajudar a espantar o medo...

Um grande abraço, Minha Irmã!!!