sábado, 17 de abril de 2010

Bem-vinda (à Ana Luiza) - de TiaLú


Bem-Vinda

à Ana Luiza

Imaginar-te o riso
não é o mesmo que te ver rir...
Imaginar a suavidade de tuas pequenas mãos
não é o mesmo que engrandecer minha ternura
ao segurar-te a mãozinha e pensar
no cuidado,
na responsabilidade,
com que devemos tratar do Mundo
e de todas as coisas
para que os dias de tua infância
sejam cheios de luz e cor...
Ter saudades de ti
sem nunca ter olhado
em teu olhar que 'inda se abre
e descobre um mundo
é descobrir-me a mim:
amando antes do gesto,
cuidando antes do encontro,
esperando enquanto sou
e sendo enquanto espero...
E toda esta espera,
esta esperança,
é já amor.
Amo-te, Bem-vinda,
porque a tua Vida
explodiu em tempo
de lembrar-me que o amor
se faz carne,
re-inventa o tempo,
e zomba
- em explosões infinitas de vida! -
da força da dor... 


Luciana Cavalcanti
Recife, Várzea do Capibaribe, 17 de Abril de 2010.

2 comentários:

Marcella Nathaly disse...

Tá bom, você conseguiu, me fez chorar (e eu não sou muito disso!). Esse negócio de maternidade deixa a pessoa sensível demais...
Dizer que adoramos a poesia é desnecessário. Amamos você! Quando Ana Luiza entender metade das palavras que estão escritas eu leio para ela.

Beijo!

Luciana Amâncio disse...

Acho (tô achando muitooooo...) que vou ver Aninha no feriado de Tiradentes!
Aí...FAÇO OUTRO POEMA!!!! Porque terei visto Aninha...! =)