domingo, 4 de abril de 2010

Alpendres, varandas, calçadas...,

O "Poesia Acidental" foi concebido e alimentado para ser o meu blog de poesia. Não que eu quisesse fazer dele uma espécie de "livro virtual" ou uma "antologia" virtual de meus poemas... nem tenho bagagem suficiente para isto!!
Às vezes, a Poesia me prega umas peças e me deixa por meses sem um bom poema!
Mas a identidade "blog de poesia" serve para disciplinar-me a não resmungar contra o Bial, o BBB, o Faustão (e seu "dominguinho"), Cardinot, Lula, os "democratas" e tucanos, a Rádio Patrulha e o preço da cerveja...
No entanto, o acidente de 14 de fevereiro foi (não é ironia!) um acidente poético, pelo mergulho que me permitiu: na Vida e em mim. E eis-me, portanto, em narrativas e reflexões que enchem de prosa este recanto de versos - de versos meus e de outros.
Mas como é bom prosear...!
Como eu não tenho alpendre e, nos dias de hoje, ninguém se atreve a colocar cadeiras na calçada, abro no blog nossa boa prosa de compadres, falando sobre o que a Vida me tem dado desde aquele domingo de carnaval...

2 comentários:

Ana Karla disse...

Irminha

Só Deus poderia fazer de um "acidente" um poema tão belo sobre "a volta da filha pródiga"...

Wires disse...

Acreditas que este acidente foi um encontro com Deus?