sexta-feira, 26 de março de 2010

Reflexos do Infinito...


O Infinito manifesta-se em circunstâncias impensáveis! Quem esperaria colher sinais de infinitude numa noite de boemia, num jogo de futebol, em pleno engarrafamento ou mesmo naquela noite odiosa em que faltou água após passarmos um dia inteiro às voltas com o trabalho? Nós, no entanto, criamos uma noção pomposa e quase inacessível de Infinito (como refletia frequentemente o nosso Dom, Helder...) quando a transcendência, seus sinais e pistas, quase sempre se confundem com o banal, o cotidiano ou até mesmo o risível...
Lembremo-nos: Deus é humilde! Quem faz estardalhaço para aparecer e chamar atenção somos nós, seres humanos, extremamente frágeis e insábios para perceber a grandeza das menores e mais sutis coisas.

Um comentário:

Ana Karla disse...

Que profundo, Irminha!