sábado, 3 de outubro de 2009

Um poema de Dodô, o Odomiro...

Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009


Carta de Amor


Desejei ser Inverno
para em tua solidão, delirar febril.
Ser silêncio,
ilimitado abrigo.
Inadiáveis cataclismas.
Cosmos aprisionado
numa moldura de ferro.
Poros,
tangível morada.
Remorso não ter vivido,
sonhar.
Afetividade sem dimensão no vazio.


EM TEMPO: Não resisti. O poema me deu um soco no estômago. E, justamente, agora que mamãe deixa Altemar Dutra tomar conta da sala do apartamento...

Nenhum comentário: