sexta-feira, 25 de julho de 2008

Se manhã, tarde ou noitinha é sempre cedo...

Domingo seja,
de novo e sempre,
dia de festa:
hora esperada,
o riso solto,
a casa aberta.



A festa seja,
domingo e sempre,
explosão de vida:
despretensiosa e definitiva
como estrada aberta.



Um caminho-viagem,
domingo seja passagem
da hora do riso
esperado e solto,
demasiado e pouco
porque riso que a Vida ri
nunca é à toa,
nunca é demais!



E domingo já nem é um dia,
um canto,
ou qualquer coisa esperada
se a Vida se ajeitou por dentro,
se a alegria hoje se sente em casa,
se toda a gente não precisa de mais nada
pra viver de rir.





...de você, sei quase nada...

"Quando o homem inventou a roda
logo Deus inventou o freio,
um dia, um feio inventou a moda,
e toda roda amou o feio"
Tire o seu piercing do caminho
Que eu quero passar
Quero passar com a minha dor
Pra elevar minhas idéias não preciso de incenso
Eu existo porque penso tenso por isso existo
São sete as chagas de cristo
São muitos os meus pecados
Satanás condecorado na tv tem um programa
Nunca mais a velha chama
Nunca mais o céu do lado
Disneylândia eldorado
Vamos nós dançar na lama
Bye bye adeus Gene Kelly
Como santo me revele como sinto como passo
Carne viva atrás da pele aqui vive-se à mingua
Não tenho papas na língua
Não trago padres na alma
Minha pátria é minha língua
Me conheço como a palma da platéia calorosa
Eu vi o calo na rosa eu vi a ferida aberta
Eu tenho a palavra certa pra doutor não reclamar
Mas a minha mente boquiaberta
Precisa mesmo deserta
Aprender aprender a soletrar
Tire o seu piercing do caminho
Que eu quero passar
Quero passar com a minha dor
Não me diga que me ama
Não me queira não me afague
Sentimento pegue e pague emoção compre em tablete
Mastigue como chiclete jogue fora na sarjeta
Compre um lote do futuro cheque para trinta dias
Nosso plano de seguro cobre a sua carência
Eu perdi o paraíso mas ganhei inteligência
Demência, felicidade, propriedade privada
Não se prive não se prove
Dont't tell me peace and love
Tome logo um engov pra curar sua ressaca
Da modernidade essa armadilha
Matilha de cães raivosos e assustados
O presente não devolve o troco do passado
Sofrimento não é amargura
Tristeza não é pecado
Lugar de ser feliz não é supermercado
Tire o seu piercing do caminho
Que eu quero passar
Quero passar com a minha dor
O inferno é escuro não tem água encanada
Não tem porta não tem muro
Não tem porteiro na entrada
E o céu será divino confortável condomínio
Com anjos cantando hosanas nas alturas nas alturas
Onde tudo é nobre e tudo tem nome
Onde os cães só latem
Pra enxotar a fome
Todo mundo quer quer
Quer subir na vida
Se subir ladeira espere a descida
Se na hora "h"o elevador parar
No vigésimo quinto andar der aquele enguiço
Sempre vai haver uma escada de serviço
Tire o seu piercing do caminho
Que eu quero passar
Quero passar com a minha dor
Todo mundo sabe tudo todo mundo fala
Mas a língua do mudo ninguém quer estudá-la
Quem não quer suar camisa não carrega mala
Revólver que ninguém usa não dispara bala
Casa grande faz fuxico
Quem leva fama é a senzala
Pra chegar na minha cama
Tem que passar pela sala
Quem não sabe dá bandeira
Quem sabe que sabia cala
Liga aí porta-bandeira não é mestre-sala
E não se fala mais nisso
Mais nisso não se fala
E não se fala mais nisso
Mais nisso não se fala
E não se fala mais nisso
Mais nisso não se fala
E não se fala mais nisso
Mais nisso não se fala
Tire o seu piercing do caminho
Que eu quero passar
Quero passar com a minha dor
["piercing", Zeca Baleiro]

domingo, 20 de julho de 2008

Canções de Claridade - I

De passagem,
a luz que carregas nas retinas,
deixou-me o brilho
dum sonho novo
exalado nas noites
que maturaram
este amanhecer de mim.

19 de Julho de 2008.

Março não percebe
que o amor
pede mais tempo.
Março é pisciano:
sonhador,
inquieto,
molhado...
e desatento.